Terça-feira, 19 de Janeiro de 2010

Pontes de Raízes da India

Recebi este mail.

Sei que os mails vão viajando e chegam a quase todo o lado...

Talvez que muitos já o tenham visto. Mesmo assim quis partilhar.

 

Numa altura em que a India é um dos destinos tão procurado para visitar em férias, achei interessante "postá-lo" pois decerto isto não será o que o turista vai encontrar.

O mesmo acontece com o Japão e penso com a maior parte dos países do Oriente, cuja beleza, cultura e vivência são bem diferentes da nossa Europa.

Aqui encontra-se a "Raiz" da Arquitectura e Engenharia de construção de pontes?

É belo e arrepiante. Imaginem só atravessá-las.

No entanto quantas pessoas através dos séculos não o terão feito.

Sabem que sensação me deu?

A magia e a imaginação dos novos filmes de aventuras, mais sofisticados é verdade com as possibilidades de que os cineastas hoje em dia possuem através da ciência do computador, mas pareceu-me encontar por aqui muitas "raízes" de um imaginário inesgotável.

Quantas outras coisas surpreendentes poderíamos encontrar se pudessemos ser um caminhante incessante e errante de todo esse Mundo nosso.

Espero que gostem.

 

Mafalda, 19 de Janeiro de 2010

 

Pontes de Raizes da Índia

Nas profundezas do nordeste da Índia, num dos lugares mais humidos da terra, as pontes não são construídas - estão crescendo.
http://lh3.ggpht.com/_hVOW2U7K4-M/Sp7qm8vB_hI/AAAAAAABHTo/hTwY2E9wosA/s640/56iu4wwet5hd.jpg
http://lh5.ggpht.com/_hVOW2U7K4-M/Sp7qquOcqjI/AAAAAAABHTw/wb15jhYx7jM/s640/69349915_fc5eb5d5f5_b.jpg
http://lh4.ggpht.com/_hVOW2U7K4-M/Sp7qrftcavI/AAAAAAABHT4/h7WVAgNWBjU/s640/56iu4r6utrhfry.jpg
Cresceram das raízes de uma seringueira. O povo de Khasis Cherapunjee betel usou troncos de árvores, cortadas ao meio e ocas por dentro, para criar o "sistema-raízes de orientação." Quando chegarem ao outro lado do rio, elas estarão prontas a criar raízes no solo. Dado tempo suficiente, uma robusta ponte viva é produzida.
http://lh5.ggpht.com/_hVOW2U7K4-M/Sp7p-2ILxDI/AAAAAAABHNQ/qAtVk-BQt0s/s640/2349364138_bae3ce784f_o.jpg
As pontes de raízes, algumas das quais com mais de cem metros de comprimento, levaram de dez a quinze anos para se tornarem totalmente funcionais, são extremamente fortes. Algumas podem suportar o peso de 50 ou mais pessoas ao mesmo tempo.

Uma das estruturas de raiz mais original da Cherrapunjee é conhecida como o "Umshiang Double Decker-Root Bridge". É composta de duas pontes uma sobre a outra!
http://lh6.ggpht.com/_hVOW2U7K4-M/Sp7qsEnDEKI/AAAAAAABHUA/j0xcbzBW0O0/s640/5e6ujw5tsehtdf.jpg
http://lh5.ggpht.com/_hVOW2U7K4-M/Sp7p9yBvUmI/AAAAAAABHNI/xCGdpiy3Whg/s640/237438171_5a687cee1e_o.jpg
http://lh4.ggpht.com/_hVOW2U7K4-M/Sp7qAVU46AI/AAAAAAABHNc/2zZsA2DOm2U/s640/2808362372_99ac1ceb4d_o.jpg
Porque as pontes estão vivas e ainda estão crescer. Elas realmente ganham força ao longo do tempo, e algumas das pontes raízes antigas, ainda são usadas diariamente pelo povo das aldeias ao redor de Cherrapunjee, podem ter bem mais de 500 anos.
http://lh3.ggpht.com/_hVOW2U7K4-M/Sp7qtQdru9I/AAAAAAABHUI/Z3lWlQmKHrc/s640/56urthfrgt.jpg

 
Mas,  não são estas as únicas pontes construídas a partir de plantas em crescimento. O Japão também tem sua própria forma  de pontes vivas.
 
Estas são as pontes da Vinha Vale de Iya .....
 
http://lh4.ggpht.com/_hVOW2U7K4-M/Sp7qdxf2HTI/AAAAAAABHS8/Dac0QkBEl8U/s640/57jertsjdfgtdcf.jpg
Um dos três "vales escondidos do Japão" , West Iya é do tipo desfiladeiros cheios de neblina, rios claros, e telhados de colmo, o Japão de séculos atrás. Para atravessar o rio Iya, num  vale com terreno  áspero, bandidos, guerreiros e refugiados criou- se algo muito especial -  um tanto instável - a ponte feita de vinhas. 

 


 
http://lh6.ggpht.com/_hVOW2U7K4-M/Sp7qfMhjrPI/AAAAAAABHTE/hb5dbHWblY0/s640/5i7ue56esrtd.jpg
Este é um quadro de 1880 de uma das pontes de videira original.
http://lh6.ggpht.com/_hVOW2U7K4-M/Sp7qcjm1SaI/AAAAAAABHSs/0FO9tkQSLBs/s640/57ir6jrtf.jpg

Primeiro, duas vinhas Wisteria - uma das mais fortes vinhas conhecidas - foram cultivadas nos extremos, de ambos os lados do rio. Uma vez que as videiras alcançaram comprimento suficiente,  foram entrelaçadas com tábuas para criar uma flexível, durável e, a mais importante obra viva da engenharia de botânica.
http://lh5.ggpht.com/_hVOW2U7K4-M/Sp7qhddZAvI/AAAAAAABHTQ/V9WY5RVTz2U/s640/647ier6juesthd.jpg

http://lh4.ggpht.com/_hVOW2U7K4-M/Sp7qlvp73gI/AAAAAAABHTY/4xSENO5BIiE/s640/2269780858_81b048e8f2_b.jpg

As pontes não tinham laterais, e uma fonte histórica japonesa diz que as pontes de videira originais eram tão instáveis que aqueles que tentavam atravessá-las pela primeira vez, muitas vezes congelavam no lugar, incapazes de prosseguir.

Três dessas pontes permanecem no Vale de Iya. Enquanto algumas pontes (embora aparentemente não todas) foram reforçadas com fio e grades, ainda são angustiantes de atravessar. Mais de 140 metros de comprimento, com  pranchas colocadas de seis a oito centímetros de distância cada e, uma queda medonha até a água, definitivamente, elas não são para acrofóbicos. 

http://lh5.ggpht.com/_hVOW2U7K4-M/Sp7qdLTG2rI/AAAAAAABHS0/hCmf6eH65hE/s640/5e6urwt6hsdt.jpg

Acredita-se que as pontes de videira existentes foram primeiramente cultivadas no século 12, o que as tornaria, nos mais antigos exemplos de arquitetura viva  no mundo. 

http://lh5.ggpht.com/_hVOW2U7K4-M/Sp7qmZjFQLI/AAAAAAABHTg/yOzMRlA5olU/s640/5iu46ywertd.jpg

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

publicado por mafalda-momentos às 12:22
link do post | favorito
De Sindarin a 5 de Fevereiro de 2010 às 11:22
Mais uma beijoca e desejos de um óptimo fsemana minha querida amiga. Para ti e as manas tudo de bom.


Comentar:

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 22 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. A minha despedida

. Cansativo

. Desfolhando o malmequer.

. A praia é só deles.

. Ó noite de Santo António

. A pena do gabbiano deslis...

. O BEIJO

. Primavera

. Casa Arrumada... Desarrum...

. CASA ARRUMADA

.arquivos

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.tags

. todas as tags

.Musica

.O meu primeiro Selo


Obrigada Libel Linda

.O meu "Segundo" Selo


Obrigada Fátima

.El Puente - Serpai - 27/08/2010

Además del sello te regalo mi flor favorita... Gracias Sergio... un abrazo

.Obrigada luadoceu - 21/10/2010

.subscrever feeds