Sábado, 26 de Abril de 2008

Olhei-te...

 

 

Olhei-te e vi-te.

Teu olhar azul ansioso, teu rosto reflectido num meio sorriso assustado.

Puxaste dum cigarro e acendeste-o com mãos trémulas.

E com a voz, que me pareceu embargada, disseste:

- Deixa-me só fumar um cigarro.

A seguir buscaste uma caixinha e dela retiraste um pequeno comprimido.

Partiste-lhe um bocadinho que engoliste. Eu sei o que são e nada comentei.

Tudo isto eu vi e desviei um pouco o meu olhar humedecido para que não notasses.

Apeteceu-me tanto abraçar-te e dizer-te “estou aqui, é só um corte de cabelo, não dói!”.

Mas contive o meu impulso com medo de te embaraçar.

Terei feito bem ou mal?

Embaraçar-te-ia ou ter-te-ia consolado?

Não é meu hábito conter meus impulsos. Na maior parte dos casos não chego a ter tempo para isso.

Mas contigo já notei é mais natural. Talvez porque costumas “sacudir” manifestações de carinho em momentos de “crise”.

Tínhamos andado toda a tarde e já tínhamos resolvido alguns assuntos que tu próprio te tinhas proposto. No entanto apesar de decidido, ainda quiseste voltar atrás e deixar para outro dia. Achei que devia impor-te a decisão e de uma maneira, que tentei ser suave, encorajei-te a cumprir o “calendário”.

Mas por último, outro desafio desafiava a tua confiança em ti próprio. Estavas prestes a sucumbir. Acompanhei-te a vencê-lo e assim o fizeste.

E como ficaste bonito com teu novo corte de cabelo!

Sei o que doem as tuas dificuldades e imagino que terá sido um dia difícil. Mas confessa foi uma vitória!

Olhei-te com ternura como quando nasceste!

E vi-te tão menino e assustado!

Não foi assim que te vi quando nasceste!

Onde será que terei errado se tanto te amo!

 

 

Mafalda, 26 de Abril de 2008


publicado por mafalda-momentos às 21:23
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 1 de Abril de 2008

Primeiro de Abril

 

 

 

 

 

Hoje é dia 1 de Abril. Um dia do ano particularmente peculiar. Ele é chamado o “Dia das Mentiras”.

É verdade neste dia de longa tradição, entretemo-nos a inventar mentiras que contamos uns aos outros como verdades absolutas. Tentamos ser originais e ao mesmo tempo transmitir um cunho de veracidade para não sermos imediatamente descobertos e ter o prazer de no dia seguinte desmentir o que afirmámos com tanta convicção.

E a esta tradição, nem escapam, por exemplo, os próprios orgãos de comunicação como as estações de rádio, televisão e mesmo a imprensa através dos jornais, inventando uma notícia que anunciam ou publicam, sobre os mais variados assuntos.

E nós que seguimos as notícias, quer ouvidas ou lidas, tentamos adivinhar qual será a mentira do dia.

É pois o dia oficial da mentira, o dia que podemos pregar partidas uns aos outros, que podemos mentir à vontade sem ser pecado.

Às vezes há pessoas que não têem muito bom senso e se atrevem a inventar coisas com as quais não devemos brincar. Sim porque tudo não passa duma brincadeira e não é de bom tom brincar com os sentimentos de cada um.

Mas a vida prega-nos partidas de verdade e na sequência do que anteriormente disse, quando elas acontecem neste dia em que duvidamos do que nos contam, temos alguma dificuldade em fazer acreditar os outros das más notícias.

Foi assim há quinze anos atrás, quando precisamente neste dia partiste. Partiste e nos deixaste a todos sós.

Era tão difícil de acreditar que quando dava a notícia, as pessoas incrédulas voltavam a perguntar.

Lembro bem que eu própria repetia incessantemente dentro de mim “isto não me está a acontecer...isto não me está a acontecer”.

Relembro muitas vezes esse dia. A tua partida são imagens que jamais esquecerei e ainda hoje permanecem nitidas.

Tanto me deste ao longo do tempo!

Tanto gostarias de me dar ainda!

Tanto sonhavas para nós!

Porquê então? Não entendi. Não compreendo ainda.

E uma ponta de sentimento de culpa é ainda minha companheira.

Será que fiz tudo o que devia, podia?

Desde então todos os dias Um de Abril te visito.

Com excepção do ano passado. Tinha um compromisso.

A minha irmã Bete veio ter comigo porque eu tinha de estar em casa à espera que uma empresa viesse levantar um equipamento.

Ela nada comentou, talvez tenha pensado que não me havia lembrado que era o dia da tua visita.

E eu, durante o ano que decorreu até hoje, muitas vezes me interroguei se o tal compromisso, teria sido uma desculpa. Estaria eu cansada já de te visitar? Como iria ser o dia de hoje? Haveria também algum outro compromisso?

Por nada deste mundo gostaria que isso acontecesse e não me perdoaria.  Estas expectativas assustavam-me e criavam-me ansiedade. Sentia plena certeza que o tal compromisso tinha sido real, mas mesmo assim era fundamental que o provasse a mim própria.

Levantei-me e arranjei-me cuidadosamente. Saí sózinha sentindo-me tranquila,  e sem qualquer exitação. Estava finalmente serena sabendo bem o que queria e conduzindo o carro dirigi-me à florista.

Levo-te sempre flores. Sei que gostas. Rosas vermelhas, símbolo de  paixão, eram as tuas preferidas.

Para mim Orquedeas, tão sensíveis e delicadas.  E não é pelo facto de teres partido que as não mereces.

Um dia, um dia qualquer eu sei, também eu me mudarei para o lugar onde agora vives.

Mas sabes uma coisa? Pelo que me tem sido dado observar, ao contrário de ti, não haverá ninguém que me visite e me leve flores, quaisquer que sejam e de que eu tanto gosto.

Hoje visitei-te como sempre tenho feito.

Hoje visitei-te e continuarei a fazê-lo enquanto me fôr possível.

Hoje visitei-te na tua última morada.

 

Mafalda, 1 de Abril de 2008

 

 

 

 

 

 

 


publicado por mafalda-momentos às 15:08
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 21 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. A minha despedida

. Cansativo

. Desfolhando o malmequer.

. A praia é só deles.

. Ó noite de Santo António

. A pena do gabbiano deslis...

. O BEIJO

. Primavera

. Casa Arrumada... Desarrum...

. CASA ARRUMADA

.arquivos

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.tags

. todas as tags

.Musica

.O meu primeiro Selo


Obrigada Libel Linda

.O meu "Segundo" Selo


Obrigada Fátima

.El Puente - Serpai - 27/08/2010

Además del sello te regalo mi flor favorita... Gracias Sergio... un abrazo

.Obrigada luadoceu - 21/10/2010

.subscrever feeds