Sexta-feira, 25 de Janeiro de 2008

Esperança...

 

 

Caminho caminhando por um caminho que não sei onde me leva.

E neste caminho que caminho não avanço, me quedo parada.

Olho o caminho atrás de mim e nele não vejo nem pó levantado por meus passos, nem pegadas do meu caminhar.

Neste caminho que caminho, não vivo, não existo, pairo apenas em meus pensamentos que se atropelam entre lembranças do passado que vivi e sonhos que não vivi, do presente que me preocupa e desilude e do futuro, que já curto será e não consigo imaginar.

Sigo caminhando pelo trilho marcado no chão nada ouço, nada vejo.

Neste caminho que teimo em continuar caminhando, deixei de lutar, perdi o entusiasmo, abracei o desânimo e com ele me fiquei.

Algures para trás deste meu caminho ficou o gosto por tudo o que gostava. A minha música, os meus passeios, os meus livros, os meus amigos.

E de braços caídos, sem alento e insípida, por aqui vivo neste caminho sem beleza e de mim não gosto.

Caminho caminhando por este caminho enquanto espero voltar a ser quem era, encontrar de novo a minha esperança, aquela esperança que não sei de onde me vinha, mas que sempre estava presente. Nela encontrava a força para seguir em frente, ultrapassar os obstáculos, viver intensamente os momentos da minha vida, quer tristes, quer alegres, mas sempre com a mesma paixão.

Quem foi que disse “...que importa que hoje chore se amanhã rio...”?

É assim que eu quero viver!

Quando encontrar de novo a minha esperança.

Por ela lutarei!

 

Mafalda, 25 de Janeiro de 2008


publicado por mafalda-momentos às 21:11
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 7 de Janeiro de 2008

A Perfeição da Natureza

 

Sigo com os olhos aquele bando de pombos que da minha janela vejo e observo e acabo de fotografar.

Voam em simetria, num perfeito alinhamento, como se de um exército, bem treinado, bem disciplinado se tratasse, obedecendo a uma voz sonora de comando.

Será um paradoxo comparar um exército que nos lembra a guerra a um bando de pombos, do qual retiramos a pomba branca, símbolo da paz, mas observando-os, eu vejo que parecem obedecer a um comando perfeito, mudando de direcção, invertendo o sentido, subindo e descendo, sem que nenhum se “atrapalhe”, se canse e desista, se desvie do seu rumo, que é o rumo de todos.

Eu sei, que já li, que de facto existe um “leader” que todos seguem, mas o seu código de liderança é tão perfeito que não existe uma falha na sintonia do bando.

Então eu diria que eles são como “Os Três Mosqueteiros” – “Todos Por Um e Um Por Todos”.

Será que existe entre o ser humano alguém assim?

A Natureza é de facto perfeita e digna de se apreciar!

E é tão perfeita que nem a falta de uma imperfeição existe!

Nela existe apenas um pequeno senão de pouca importância – o Homem.

Não sei como se atreve ele a desafiá-la, pois já devia saber que mais tarde ou mais cedo e apesar de paciente, Ela cobra a sua ousadia.

O Homem designado como o único animal racional deste planeta, que tem inteligência que lhe confere sabedoria e conhecimento,  é de certo a única coisa imperfeita que a Natureza possui porque com a sua inteligência ganhou o desejo do poder.

Querendo ser mais forte, mais conhecido que o seu vizinho, tornou-o dominador e criou a discórdia. E subindo na escala das hierarquias desencadeou a guerra.

Somos então, os seres humanos, uma classe de dominantes e dominados. Onde nos leva isto? À intolerância e à submissão à riqueza e à pobreza, à arrogância e à humilhação.

Vivemos a vida entre grandes diferenças sociais, conflitos raciais, confrontos religiosos e políticos, fronteiras que nos barram e toldam o entendimento do que é correcto, da diferença entre o bem e o mal.

E o que é o bem e o mal?

Os valores morais alteram-se de dia para dia, muitas vezes conforme nos é mais conveniente e cada um vive por si, para si, voltado apenas para dentro do seu próprio ego, sem se importar, nossos olhos nem viram, se o nosso semelhante que acabou de passar ao nosso lado chorava ou ria.

Não lhe estendemos a mão num gesto de consolo, ou de partilha, da sua tristeza ou da sua alegria, porque isso nos faria despender de amor e tempo que não temos para dar.

Corremos não sei porquê nem para onde.

E ainda existe o “Livre Arbítrio”, passe a parte religiosa, em que cada cidadão é livre de escolher e construir o seu próprio destino, conduzir o rumo da nossa vida, fazê-lo depender apenas da nossa vontade, podendo sempre escolher o melhor caminho.

E para onde nos remete isto? Qual é o veredicto da sentença se nos queixarmos?

Culpados! Culpados e apontados porque podíamos escolher!

Que mundo este criámos com tantas desculpas mal acabadas, com tantas atrocidades feitas em nome de boas causas dissimuladas, em nome da libertação dos oprimidos que oprimidos continuam, apenas por outros diferentes, em nome da beleza que é a vida e que não nos é permitido viver em beleza.

Reina então a escolha?

Não o que reina é o poder e a lei do mais forte!

Porque na verdade eu vos digo que se eu pudesse escolher, viveria com certeza no Palácio de Belém e poderia não fazer melhor do que quem lá vive, mas faria de certeza igual – Nada!

É isso mesmo que estão pensando, sou como todos, quero o que todos querem, com uma única diferença.

Penso que todos temos direito ao mesmo, viver uma bela vida, com dignidade, com amor, com segurança, com bem estar.

Graças a quem assim não pensa e quer e que em discurso público o diz abertamente, aliás igual a qualquer outro, cito José Socrates “...queremos um país mais justo, mais pobre...”.

Falando a voz do povo, “fugiu-lhe a língua para a verdade”.

 

Mafalda, 7 de Janeiro de 2008

(Foto minha) 


publicado por mafalda-momentos às 23:22
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. A minha despedida

. Cansativo

. Desfolhando o malmequer.

. A praia é só deles.

. Ó noite de Santo António

. A pena do gabbiano deslis...

. O BEIJO

. Primavera

. Casa Arrumada... Desarrum...

. CASA ARRUMADA

.arquivos

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.tags

. todas as tags

.links

.Musica

.O meu primeiro Selo


Obrigada Libel Linda

.O meu "Segundo" Selo


Obrigada Fátima

.El Puente - Serpai - 27/08/2010

Además del sello te regalo mi flor favorita... Gracias Sergio... un abrazo

.Obrigada luadoceu - 21/10/2010

.subscrever feeds