Terça-feira, 29 de Maio de 2007

A minha grande amiga

 

 

Todos nós temos ou tivemos na vida pelo menos uma pessoa em quem encontramos tais afinidades que nos é possível criar, desenvolver uma amizade sincera e nela depositar toda a nossa confiança, trocando confidências, partilhando bons e maus momentos e até, muitas vezes pedindo opiniões sobre este ou aquele assunto, conselhos mesmo porque estamos em dúvida sobre que decisão tomar, que caminho seguir.   

Acontece, às vezes, que nem sempre conseguimos mantê-las por toda a vida por diversas razões, especialmente as que criamos quando somos jovens e o rumo das nossas vidas não está ainda bem definido. Seguimos então caminhos diversos, opostos até, adquirimos responsabilidades, o nosso tempo torna-se diferente e deixamos para trás todas as boas lembranças que guardamos num cantinho do nosso coração.

Por vezes, mais tarde, aqui ou ali voltamos a cruzarmo-nos. Ficamos felizes, relembramos com saudade os bons tempos idos, prometemos que agora que nos voltámos a encontrar, retomaremos o contacto, trocamos telefones e endereços, mas na maior parte dos casos tudo fica como estava.

Na amizade, como com qualquer outro sentimento, também acontecem desilusões. Julgamos encontrar a pessoa certa, que nos escuta e conforta, que se ri e diverte connosco, a quem reciprocamente damos também todo o nosso apoio e no decorrer do tempo constatamos por um motivo qualquer, que só do nosso lado havia sinceridade. Ficamos frustrados, zangados mesmo connosco por não termos conseguido percebê-lo, sofremos e também esta má recordação arquivamos noutro cantinho do nosso imenso coração.

Mas não é o caso.

Efectivamente  a minha grande amiga, existe, ela é real. Afirmo-o sem qualquer sombra de dúvida.

Na verdade se existem almas gémeas, que homens e mulheres procuram encontrar no amor, ela é a minha alma gémea, que eu encontrei na amizade, na vivência do dia a dia.

Conhecemo-nos desde que tomámos conhecimento que existimos e lado a lado, temos percorrido e vivido em perfeita harmonia as fases da vida. A infância, a adolescência, a juventude, o ser adulto.

E quando falo em perfeita harmonia, não quer dizer que estejamos sempre de acordo, que não tenhamos as nossas divergências. Simplesmente conversamos, debatemos os assuntos e ainda que não cheguemos a acordo e façamos o que o nosso impulso nos manda, seja qual for o resultado, não criticamos, não acusamos, não cobramos.

Partilhamos as nossas alegrias, a nossa felicidade e as nossas desilusões, os nossos desgostos. Juntas, rimos e divertimo-nos aproveitando tudo o que de bom a vida nos dá, mesmo os mais pequenos prazeres, choramos e entristecemo-nos nas horas magoadas, nas horas de pesar, de luto, guardamos cada minuto de beleza que contemplamos, vivemos com a mesma emoção cada nascer e cada pôr de sol que os nossos olhos vêem, cada riso feliz de criança que chega aos nossos ouvidos, cada angústia, infelicidade, que a cada passo assistimos, tomamos conhecimento.

Vivemos apaixonadamente, cada momento, bom ou mau de nossas vidas e ainda das pessoas que a nós nos são queridas.

Sentimos intensamente revoltadas, as injustiças do mundo.

Recordamos com o mesmo carinho a mesma saudade as pessoas, os acontecimentos do nosso passado. Relembramos com a mesma mágoa, a mesma dor o que já nos fez sofrer.

Encorajamo-nos ou consolamo-nos sempre com a mesma sinceridade de querermos o bem uma da outra.

Conhecemos cada pedacinho de nossas almas, cada cantinho dos nossos corações. Cada alegria, cada tristeza, cada experiência vivida, cada segredo neles guardados.

Sentimos cada emoção vivida. Vimos cada brilho iluminado, cada lágrima caída, de nossos olhos.

Hoje ela procurou-me. Trazia no olhar os sentimentos que lhe atormentavam a alma. Não precisámos dizer nada. Ambas sabíamos o que acontecera. Tinha-se encontrado com ele ainda que por escassos minutos e por questões de trabalho.

Sei que ela sabe a minha opinião sobre o assunto. Deveria dizer-lhe claramente que ele foi desleal com ela de um modo injustificável e que não merece nem uma única palavra, um único olhar seu.

Também sei que pensa do mesmo modo, mas ao mesmo tempo acha que isso seria dar-lhe muita importância e não quer dar-lhe esse gostinho. Orgulho, ego ferido? Que importa?

Eu respeito este seu sentimento!

Ofereci-lhe meu ombro amigo, uma almofada para esconder o rosto no meu colo, envolvi-a num abraço e deixei-a chorar sem nada dizer, até que os soluços se calaram e as lágrimas secaram. E o silêncio reinou durante algum tempo.

Um suspiro profundo, um tímido sorriso e um obrigada amiga seguidos por um chá de Lúcia-lima, foi como terminou esta hora triste.

Nada se comentou! Para quê? Não era necessário. Ambas sabíamos o que cada uma estava a sentir. Uma tristeza, a outra raiva. Emoções contidas, bem dissimuladas, só nossas que não ousamos mostrar a mais ninguém.

E é assim a nossa amizade cheia de cumplicidade e entendimento.

Contamos incondicionalmente uma com a outra, sem tabus, sem regras, sem condições.

Nunca nos separamos, nunca estamos sós.

Porque ela sou eu e eu sou ela.

Ela é a minha emoção, o meu coração e eu, a sua razão, o seu consciente.

 

 

Mafalda, 29 de Maio de 2007


publicado por mafalda-momentos às 14:47
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. A minha despedida

. Cansativo

. Desfolhando o malmequer.

. A praia é só deles.

. Ó noite de Santo António

. A pena do gabbiano deslis...

. O BEIJO

. Primavera

. Casa Arrumada... Desarrum...

. CASA ARRUMADA

.arquivos

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.tags

. todas as tags

.links

.Musica

.O meu primeiro Selo


Obrigada Libel Linda

.O meu "Segundo" Selo


Obrigada Fátima

.El Puente - Serpai - 27/08/2010

Además del sello te regalo mi flor favorita... Gracias Sergio... un abrazo

.Obrigada luadoceu - 21/10/2010

.subscrever feeds