Terça-feira, 23 de Janeiro de 2007

Quem me dera...

 

Quem me dera...não houvesse dias cinzentos,

Quem me dera...fosse sempre Primavera,

Quem me dera...ser criança,

Quem me dera...que o tempo não corresse,

Quem me dera...não envelhecer,

Quem me dera...que o mundo fosse azul como o céu,

Quem me dera...que o mundo fosse verde como o mar,

Quem me dera...que o mundo fosse brilhante como o sol,

Quem me dera...que o mundo fosse colorido como as flores,

Quem me dera...acreditar,

Quem me dera...que o ser humano vivesse com justiça,

Quem me dera...não ver desgraças,

Quem me dera...não haver doenças,

Quem me dera...não haver tristeza,

Quem me dera...meus amigos ajudar,

Quem me dera...só ouvir risos de crianças,

Quem me dera...ser um pássaro e voar,

Quem me dera...saber escrever, ser poeta talvez,

Quem me dera...não ser frágil,

Quem me dera...não sentir falta de ternura,

Quem me dera...não ser tão imensamente sensível,   

Quem me dera...Zézinho não tivesses morrido,

Quem me dera...Pai e Mãe ouvir ainda as vossas vozes,

Quem me dera...João nada te tivesse acontecido,

Quem me dera...que meus filhos fossem “doutores”,

Quem me dera...acima de tudo fossem felizes,

Quem me dera...maninhas partir antes de vocês,

Quem me dera...não estar triste,

Quem me dera...não chorar,

Quem me dera...ser feliz,

Quem me dera...ter ainda a minha voz e cantar,

Quem me dera...me saísse o totoloto,

Quem me dera...viajar,

Quem me dera...ver a vida com a razão e não com o coração,

Quem me dera...ser forte,

Quem me dera...ser um rochedo...,

Quem me dera...ser fria, calculista,

Quem me dera...Zé não te ter conhecido,

Quem me dera...já te ter esquecido,

Quem me dera...algum dia vir a esquecer-te,

Quem me dera...sentir ódio, não, indiferença,

Quem me dera...poder partir,

Quem me dera...viver noutro lugar,

Quem me dera...me ouvir de novo gargalhar,

Quem me dera...voltar a dançar descalça pelo chão,

Quem me dera...de volta a minha alegria,

Quem me dera...de volta a minha esperança,

Quem me dera...ser capaz de voltar a sonhar,

Quem me dera...não ter ido hoje ao funeral de um rapaz de 20 anos,

Quem me dera...sentir o calor de uma mão carinhosa na minha,

Quem me dera...ter num ombro um porto de abrigo,

Quem me dera...ter ainda ilusão,

Quem me dera...não sentir solidão,

Quem me dera...a vida não me ter magoado,

Quem me dera...quem me dera...,

Quem me dera...é a minha vida!

 

Mafalda, 23 de Janeiro de 2007

(Foto minha) 


publicado por mafalda-momentos às 14:54
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Segunda-feira, 15 de Janeiro de 2007

Experiências

 

Dei comigo a guiar o carro na Via Rápida rumo à Costa da Caparica.

Seria por volta do meio dia. E o dia estava de Sol mas não aberto. Havia aqui e ali umas nuvens brancas e ao longe no horizonte uma barra cinzenta de névoa.

- Onde vou? Perguntei-me.

- Ver o Mar! Respondi-me.

E assim vi-me a estacionar junto ao paredão. Poucos carros havia.

Ouvindo o som das ondas, subi as escadas dum acesso junto a um dos bares um pouco ansiosa, confesso, com o que iria encontrar. As notícias dos temporais deste Inverno tinham sido desoladoras.

Ao chegar ao cimo contemplei em frente, admirável na sua grandeza, a imensidão de água que se estende para lá de onde os nossos olhos podem alcançar, brilhando com a luz que o Sol lhe empresta, esbarrando-se com toda a sua força em ondas altas contidas entre os pontões feitos pelo homem, que ao rebentarem se espraiavam numa longa e espessa espuma, tão branca que não fora pela sua movimentação e barulho caracteristico,  cavo,  profundo, a lembrar – Cuidado! Eu estou aqui, poderia parecer um manto de neve, leve e silencioso.

Ali estava o Mar!

Desde o Verão que o não via e tinha saudades. Tinha sim. Podia senti-las. Que outra razão aliás, me teria levado até ali sem quase dar conta?

Saudades do fascínio que o mar exerce em mim! Não seria capaz de viver num sítio onde não houvesse mar. Hábito porque aqui nasci e sempre vivi? Não sei, nem poderei saber.

Mas o mais engraçado é que eu tenho receio da água. E digo receio com vergonha de dizer medo. Ela não é de facto o meu meio ambiente de eleição.

Mas poder contemplá-la, isso me deleita. Deixo-me envolver na magia da contemplação da sua vastidão que se perde na linha do horizonte, do seu toque, dos seus salpicos trazidos pelo vento, no seu gosto salgado, no seu cheiro a maresia, no som do seu vai e vem, ora marujando hospitaleiro, ora turbulento ameaçador e me perco do mundo absorta pelos meus cinco sentidos.

Afinal, ou finalmente os pontões estavam arranjados. Comecei a caminhar pelo paredão com o olhar fixo no mar. Um ou dois casais, possivelmente já reformados, passeavam também. De resto só surfistas. E ao olhá-los lembrei-me do meu filho. Ele também faz surf.

- Que sejas feliz amor – murmurei baixinho.

Sinto admiração por todas estas pessoas adeptas dos desportos radicais, mas principalmente de todos os que são praticados na água, desde o surf ao rafting.

Jamais nem em imaginação eu faria algo semelhante. Nem um simples cruzeiro, que tantas pessoas adoram fazer, seria alguma vez uma opção de férias para mim.

Já mais fácil seria aventurar-me a fazer por exemplo parapent, ou uma subida de balão. Não sózinha e também não afirmo, mas acho que sim e apesar da adrenalina disparar de certeza eu iria apreciar e gostar.

Continuei andando com prazer decidida a fazer uma paragem no fim.

Em certo momento passei por uma inscrição feita no chão. Abrandei para poder lê-la. Chamava a atenção porque estava escrita a branco com letras muito bem desenhadas.

Eis o que li:

- MÃE

- AMO-TE MUITO!

Surpresa e comovida pois não é o tipo de coisas que costumamos encontrar, pensei na mãe que tinha a felicidade de ter uma filha, ou um filho que expressasse pública e anónimamente o seu sentimento tão lindo. Saberia a mãe? Quem dera que sim.

A ti que escreveste, quem quer que sejas, obrigada por existires, porque assim deveria ser o mundo.

E avançando devagarinho, saboreando a contemplação cheguei ao final do paredão. Continuando seria o principio da praia do Inatel pegada com a praia de S. João, um extenso areal que faz em plena época de Verão as delícias de quem procura na praia o repouso merecido e desejado de umas férias bem passadas.

Mas praia não a vi. Não há! Acabou! O mar engoliu-a!

Como será no Verão? Será ele complacente e recolherá as suas águas deixando que o homem que o combate disfrute os seus prazeres?

Fiquei ali olhando as ondas para mim imensas rebentando umas junto às rochas, outras mais atrás e outras ainda mais ao largo. Via-se a rebentação na Torre do Bugio.

Dois surfistas brincavam. E lá vinha um que apanhou uma onda. O outro estava parado  mais longe, em  linha com o final do pontão. Pareceu-me demasiado perto das rochas. Estaria em dificuldade? O outro que tinha apanhado a onda chegou quase ao fim da água. Pensei que fosse sair. Mas não.

Ali onde se juntavam as águas das várias ondas fazia um remoinho com corrente forte em direcção às rochas do pontão. Vi-o  nadar nesse sentido não contrariando a corrente e a poucos metros das rochas mudou o rumo e paralelamente a estas, foi nadando até chegar ao fim e perto do seu companheiro.

À distância pelo mecher dos braços apontando, pareceu-me que conversavam. E os dois juntos entraram ainda mais no mar, saindo de tão perto das rochas, esperando pelas ondas que continuamente vinham para poderem escolher a melhor e “pegá-la”.

Fiquei mais tranquila. Pelo que tinha observado pelo menos um deles sabia o que fazer, pois fácilmente veio e voltou. É preciso saber como agir dentro de água, conhecer as correntes habituais e saber ver as que constantemente mudam e aproveitá-las. Ajudaria o companheiro com a sua experiência caso os meus receios fossem fundados e não apenas fruto do meu respeito pela vontade própria do mar.

EXPERIÂNCIA???

Como foi que me afastei do tema do meu título?

Entusiasmei-me em deambulações de sentimentos e saudades acumuladas, deixei o coração falar e perdi-me da realidade da vida.

Vida? Que digo eu? O que é a vida?

O que é a vida senão um acumular de experiências vividas umas após as outras, diferentes, boas ou más, que nos fazem sentir momentos felizes ou infelizes e nos vão deixando recordações ou mágoas que lembramos com saudade ou tristeza?

Que fazemos nós com todas elas? Aprendemos e nessa aprendizagem  que guardamos como reliquias, só se formos tolos não as consideramos assim, enriquecemos o nosso EU e cada vez que um sentimento chega, que uma saudade bate, que um beijo nos toca, que um abraço nos conforta, que uma palavra soa nos nossos ouvidos, que um olhar nos enfrenta, enfim cada segundo da nossa vida é uma experiência.

Cabe-nos a nós, os seres inteligentes deste planeta, saber vivê-la, interpretá-la e guardá-la, ainda que ela seja arrasadora, experiência por experiência, cada uma por cima da última, no seu devido lugar, como se de um arquivo se tratasse, para que possamos localizá-la na hora, no minuto, no segundo que for necessária. Porque todas juntas são a nossa própria vida.

Então eu posso dizer com segurança, que afinal não me perdi e não fugi ao tema, porque tudo que vivemos é uma experiência.

 

 

Mafalda, 15 de Janeiro de 2007

(Foto minha) 

 

 


publicado por mafalda-momentos às 16:47
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sexta-feira, 12 de Janeiro de 2007

A razão de aqui estar

 

Apesar de páginas datadas, não pretendem ser um diário.

São apenas…escritos de pensamentos, emoções, acontecimentos e também, alguns, fruto apenas da minha imaginação, que nestes dias me fizeram pegar no lápis e no papel, melhor, na esferográfica e no papel, melhor ainda, usar de honestidade e dizer encarando a realidade dos dias do século XXI e abraçando as novas tecnologias, que me fizeram, dizia eu, ligar o meu PC, usar as letras do teclado e formar palavras, construindo frases que terminam nos textos que aqui deixo.

Se algum dia forem lidos por alguém eu os dedico a cada leitor, pois decerto encontrarão neles a simplicidade e a sinceridade com que os escrevo e a minha imensa gratidão a todas as pessoas, que com maior ou menor intensidade fizeram parte da minha existência, igual na sua essência à maior parte do comum mortal.

Vivemos neste mundo, todos com idênticos desejos e receios. Sentimos a mesma serenidade e a mesma ansiedade. Surgem-nos a todos alegrias e tristezas.

Apenas diferimos no modo como encaramos, transmitimos, solucionamos, lutamos ou nos deixamos arrastar, por todas as experiências que cruzam as nossas vidas e nelas incluo a morte.

Porque tudo é viver e nós somos a vida.

 

Quero apenas acrescentar que só me atrevo a publicar em Blog aquilo que escrevo, por ter dado a ler a minha irmã a meia duzia dos primeiros textos, pedindo-lhe que comentasse, sem receio de me dizer a verdade.

Porque nela eu vejo, inteligência, sabedoria e a vida ensinou-lhe do pior modo o dom da condescendência, da sensibilidade. Da sua opinião dependia a minha decisão.

Ela é uma das flores do meu jardim, do jardim que eu não tenho.

O que me respondeu e que a seguir transcrevo, fê-lo por escrito. Perceberão o porquê quando lerem as suas palavras.

Foram elas que me incentivaram a continuar.

Mas continuo a pensar que me sobrevalorizou em todos os sentidos.

 

Mafalda, 12 de Janeiro de 2007

(Foto minha) 

 

 

 

“Querida Mana

 

 

 

Não sei como te agradecer por me deixares ler o que escreveste.

Não só pela bela leitura, mas também e principalmente pela confiança de me mostrares os teus sentimentos, angústias e acima de tudo a força do teu caracter.

Confesso que durante a leitura algumas vezes me vieram as lágrimas aos olhos e é por isso que prefiro escrever a dizer-te pessoalmente o que senti.

Penso que com as vicissitudes da vida se perdeu uma bela escritora, que podias ter sido, mas não se perdeu uma grande e bela mulher que és.

Quem me dera...ter uma varinha de condão para poder fazer a vida voltar a trás, de modo que a tua fosse de outra forma, que o teu canto não parasse, que as tuas tão alegres gargalhadas ainda se ouvissem todos os dias. Mas não tenho...

O que te posso dizer, é que em mim quaisquer que sejam as circunstâncias, terás sempre o apoio que achares necessário e que nunca será tanto como o que me tens dado.

Apenas te quero dizer mais uma coisa: Mais que um diário, o que escreveste é uma bela colectânia de poesia, como alguns que se dizem poetas, não conseguem fazer.

Continua, continua, continua. Algum dia por certo além de mim, alguém te agradecerá.”

 


publicado por mafalda-momentos às 16:36
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. A minha despedida

. Cansativo

. Desfolhando o malmequer.

. A praia é só deles.

. Ó noite de Santo António

. A pena do gabbiano deslis...

. O BEIJO

. Primavera

. Casa Arrumada... Desarrum...

. CASA ARRUMADA

.arquivos

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.tags

. todas as tags

.links

.Musica

.O meu primeiro Selo


Obrigada Libel Linda

.O meu "Segundo" Selo


Obrigada Fátima

.El Puente - Serpai - 27/08/2010

Además del sello te regalo mi flor favorita... Gracias Sergio... un abrazo

.Obrigada luadoceu - 21/10/2010

.subscrever feeds