Quarta-feira, 24 de Dezembro de 2008

O meu conto de Natal

 

É Natal!

Nestes tempos que vivemos, a maior parte de nós quando pronunciamos esta simples frase, tempos em que tanto já vivemos, tristezas, desilusões, mágoas, que deixaram marcas profundas em nossos corações, marcando nossa existência até ao fim de nossas vidas, pensamos que ela nada nos diz. E interiormente dizemos é uma época como outra qualquer!

Mas é bom que não nos permitamos esquecer as coisas boas, ainda que poucas.

Pois eu vos digo que este Natal esta afirmação me tem feito pensar e cheguei à conclusão que com ela não estou de acordo.

Se é verdade que o Natal não é para nós a festa religiosa e a festejamos com mais rituais comerciais que outra coisa, que é uma época de enorme consumismo, ela é e tem sido sempre ao longo dos anos para as nossas casas, a festa da família.

Mas e para além do prazer que experimento na oferta duma lembrancinha a quem amo, é por isso, pela família, que hoje nós nos encontramos aqui em volta desta mesa partilhando com amor a companhia, a refeicção . Não estamos todos é certo e pelas mais diversas razões, mas sabemos que alguns dos outros que faltam, nalgum outro lugar se reunem também e tal como nós pensamos neles, eles, também pensam em nós.

Não deixamos ainda de nos lembrar daqueles que nos são queridos, mas já partiram.

Num mundo tão conturbado em que todos os valores antigos parecem ser questionados e dão lugar a novas tendências de educação, novas técnicas de ensinamento e novas psicologias, quer de princípios, quer culturais, diz-se por exemplo que não se deve mentir às crianças (nem a ninguém, digo eu). Estou plenamente de acordo.

Mas será mentir, fazer acreditar as crianças de que o Pai Natal existe? Oferecer-lhes a possibilidade do sonho, da ilusão, dessa magia singela representada nesse velhinho barrigudo de barbas brancas, bochechas gordas, enfiado no seu fato vermelho, que nesta noite, vagueia pelos céus num trenó guiado por ternurentas renas?

Recordo, tenho em perfeita presença, a noite de Natal em que pela primeira vez me lembro de deixar o meu sapatinho na chaminé para receber o meu presente de Natal, deixado nesse longínquo tempo, pelo Menino Jeus. Também os presentes não se abriam à noite, mas sim na manhã seguinte. Mudou um pouco a tradição da minha infância, mas o significado é o memo.

Lembro também ao detalhe a nossa casa de então na Vila Matias.

Custou-me a adormecer! Faltava-me a companhia a que estava habituada!

Ouvia na cozinha a azáfama de nossa mãe fazendo as filhozes. Minhas irmãs ajudavam e por isso quando as chamava, explicavam não poderem ainda vir deitar-se. Por fim adormeci de cansaço.

De manhã cedinho acordei e corri para a chaminé.

No meu sapatinho estaca uma boneca de celuloide, com não mais de uns quinze centímetros de altura e vestia um vestido de piquet cor de rosa.

Lembro-me com saudade do deslumbre que senti, como com ela brinquei e com que cuidado a tratei e lembro também como muitos anos mais tarde a perdi.

Andava no liceu no Colégio de S. José e tinha como colega e amiga a Ema que tinha uma irmã pequenita, pelos quatro aninhos talvez. Eram uma família de possibilidades financeiras muito acima da nossa. Viviam  numa vivenda no bairro em Linda-a-Velha. A avó da Ema, uma adorável senhora morava nos prédios novos que fizeram a seguir aos quintais das casinhas da Vila Matias.

Um dia a Ema veio com a maninha a nossa casa e enquanto ali estiveram a pequenina brincou com a minha boneca. Na hora de se irem embora a criança fez uma tal birra para levar aquela simples boneca, que não tive alternativa senão dizer à Ema:

- Deixa-a levar e depois trazes-ma de volta.

Nunca mais a vi! Senti-me com isso, tanto que ainda hoje me lembro de a ter perdido.

Mas curiosamente dou comigo a pensar que muita coisa de especial aquela boneca tinha, para que uma criança com um quarto cheio de outros brinquedos e bonecas aparentemente muito mais bonitas, se encantasse pela minha.

E tinha de facto!

Lembram-se de ter falado do meu deslumbre quando a vi? Eu acreditei que tinha sido um presente do Menino Jesus (Pai Natal se preferirem)!.

Mais tarde vim a saber que tinha sido comprada com as vossas magras ecónomias e o vestido confeccionado nessa noite por vocês maninhas.

Fiquei traumatizada por saber isso? É evidente que não!

Acho que antes pelo contrário. Sabendo já que os presente não eram dados pelo Menino Jesus, alojou-se no meu coração outro sentimento. O sentimento da gratidão. Da gratidão que então senti pelo sonho que vocês queridas manas me ofereceram.

Hoje eu tenho pena das crianças que não acreditam no Pai Natal!

Quando chegarem à minha idade elas não terão a lembrança desta minha recordação desse sonho.

Penso que a geração que gerámos viveu ainda essa magia. Eu epero que eles saibam transmiti-la a seus filhos, se e quando os tiverem.

Por tudo aquilo que aqui vos acabo de dizer eu afirmo, que acredito no Pai Natal sim!

Olho os vossos rostos surpreendidos e posso até ver um sorriso trocista nos olhos de meus filhos.

- Já estás na segunda infância – dirão.

É possível!

Sabem a nossa familia já passou por muito, mas atravessou todos as suas tristezas como uma família unida, com solidariedade, com amor, sem egoismo.

E é aí que mora o meu Pai Natal. Na minha família que sempre me amou, me protegeu, me acarinhou.

Muitas vezes me tem valido ao longo da vida esta esperança que sempre senti. Muitas vezes também, me tenho questionado de onde me vem.

E nestes últimos tempos, em que sei, tenho andado menos paciente, mais queixosa, sentindo até assustada que ela me começa a abandonar, me vi obrigada a reflectir.

É por isso, por aquilo que conclui que vos afirmei atrás  que acredito no Pai Natal. Vestido de família, deixou-me esse belo presente. A Esperança. E hoje penso que ela nasceu dessa magia, desse sonho, dessa noite de Natal de quando eu era criança.

Obrigada por ma terem dado. Eu a tenho guardado estes anos todos no meu coração e sei que jamais deixará de aí morar.

Ah! Se não fora por tudo isto... eu “já teria morrido, ou já teria fugido, ou já teria bebido algum tinteiro de tinta.”  (José Régio).

Amo-vos muito a todos.

 

 

Mafalda, 24 de Dezembro de 2008

(Foto do Pai Natal é minha) 


publicado por mafalda-momentos às 23:50
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 21 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. A minha despedida

. Cansativo

. Desfolhando o malmequer.

. A praia é só deles.

. Ó noite de Santo António

. A pena do gabbiano deslis...

. O BEIJO

. Primavera

. Casa Arrumada... Desarrum...

. CASA ARRUMADA

.arquivos

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.tags

. todas as tags

.Musica

.O meu primeiro Selo


Obrigada Libel Linda

.O meu "Segundo" Selo


Obrigada Fátima

.El Puente - Serpai - 27/08/2010

Además del sello te regalo mi flor favorita... Gracias Sergio... un abrazo

.Obrigada luadoceu - 21/10/2010

.subscrever feeds